Publicada em 02 de Novembro de 2018 ás 08:11:42
Baixa cobertura vacinal pode levar a 'bomba atômica' de doenças, avalia infectologista

O crescimento das chamadas fake news e a falta de conhecimento com relação a doenças erradicadas são fatores que levam à redução da cobertura vacinal no país. A opinião é da infectologista pediátrica Lêda Lúcia Ferreira, presidente do 20º Congresso Brasileiro de Infectologia Pediátrica (Infectoped). "Dados nacionais do Ministério da Saúde (MS) mostram essa tendência da queda de cobertura vacinal no Brasil. Uma das poucas coisas que deu certo nesse país é o programa nacional de imunização. É considerado padrão ouro no mundo", ressaltou, em entrevista ao Bahia Notícias. A questão das fake news, inclusive, acendeu um alerta no governo federal. Uma das mensagens compartilhadas, por exemplo, sugeria que vacinas causavam autismo. Por isso, o MS decidiu lançar um canal para desmentir notícias inverídicas que circulam no WhatsApp. Com um mês do serviço, o ministério identificou o equivalente a 14 mensagens falsas por dia. A profissional acrescentou ainda que, em 2017, nenhuma das vacinas prioritárias do calendário infantil atingiu a meta estabelecida de 95%. De acordo com dados do Ministério da Saúde, apenas a BCG ultrapassou o número no ano passado, com 96% de cobertura vacinal. "A gente observa uma falsa proteção, já que a população não tem visto essas doenças. É como a Aids: as pessoas não veem o que ela pode fazer, então acham que é uma doença que não traz maiores consequências. Está havendo uma diminuição considerável da prevenção dessas doenças pouco vistas", avaliou Lêda. "Se não tomarmos providência agora, em breve veremos o retorno de diversas doenças, e isso é uma bomba atômica", alertou. A infectologista destacou ainda a importância do advento da vacina em todo o mundo, com relação principalmente ao índice de mortalidade infantil. "Nada teve impacto tão positivo na redução da mortalidade infantil no mundo inteiro como a vacina", finalizou.

 

[ Imprimir ]