Publicada em 09 de Abril de 2019 ás 18:14:55
Paulo Guedes diz que governo quer criar o Imposto Único Federal

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta terça-feira, 9, que o governo pretende criar ainda neste ano o Imposto Único Federal, com a união de três a cinco impostos. Durante a 12ª Marcha dos Prefeitos, em Brasília, Guedes disse que, com o imposto único, contribuições e impostos serão todos compartilhados com Estados e municípios. No encontro, Guedes voltou a falar da reforma da Previdência e defender o modelo de privatização. “Todos já sabemos que a reforma da Previdência é importante também para municípios e Estados”, afirmou. Guedes disse esperar a aprovação da reforma “nos próximos três a cinco meses”, ou ainda no primeiro semestre, e disse que os presidentes do Senado e da Câmara têm dado apoio. O ministro voltou a defender a economia de R$ 1 trilhão para poder financiar a capitalização, que disse ser um regime “muito superior”, e garantiu que pontos sensíveis para os prefeitos, como o Benefício de Prestação Continuada (BPC), serão discutidos. Paulo Guedes afirmou que receber o benefício abaixo do mínimo aos 60 anos será opcional e o beneficiado poderá esperar até os 65 para se aposentar com o salário mínimo. De acordo com Guedes, o fundo a ser criado com a capitalização será garantido pelo governo e, se o trabalhador não conseguir o mínimo no futuro, o governo completará a diferença. Ele defendeu que o sistema atual está condenado e que a reforma acaba com privilégios e só pesará sobre cerca de 18% da população, que se aposenta com mais de dois salários mínimos. “Os privilegiados também terão que trabalhar até 65 anos, da mesma forma que os mais pobres. A alíquota de 22% é para quem ganha mais do que o presidente da República, ninguém pode reclamar”, afirmou. Guedes defendeu que as mudanças são necessárias para melhorar o País e disse que Bolsonaro está “voando a mil por hora” e cumprindo promessas de campanha. “Meus pais me deram um país melhor do que estou deixando para meus filhos, não aceito isso”. Ele completou dizendo que, com a reforma da Previdência, as greves de trabalhadores vão acabar. “No Chile, não houve mais greve de trabalhadores por vários anos [depois de reforma]”, completou. Pela manhã, estiveram no evento o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), além de outras autoridades.

[ Imprimir ]