Seja bem vindo! Salvador, 26 de Abril de 2015
   
Notícias
Publicada em 06 de Dezembro de 2010 ás 08:00:00 Share

Traficantes exibem cordões de ouro em álbum de fotografias

Você conhece alguém que ande com jóias de R$ 300 mil? O Fantástico teve acesso a um álbum de fotos do tráfico. Uma espécie de coluna social dos bandidos. Nas ruas do Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, traficantes exibem quilos de ouro. Circulam em motos, promovem festas de luxo no meio da favela, sempre carregados de pedras preciosas. Colares, pingentes, anéis, que chamam a atenção até de quem entende de joalheria. “Olhando essas imagens, quase 100% de certeza que é ouro. Pode notar a coloração, a própria espessura da peça, a forma, a cor que ela fotografa, a probabilidade é que seja ouro, do bom”, analisa Carla Pinheiro, presidente da Associação dos Joalheiros - RJ. Ela explica que essas jóias não são vendidas em lojas comuns, mas fabricadas artesanalmente. “Correntes são bem feitas, isso indica uma possibilidade de fundição, modelagem, mas algum tipo de equipamento específico”, analisa. Quem são essas pessoas que têm o seu próprio joalheiro? Perguntamos ao delegado responsável pelo combate ao tráfico de drogas no Rio de Janeiro. “Esse traficante da imagem é o Biscoito, ele era uma liderança da Mangueira, estava escondido no Alemão e de lá davam ordens pra gestão das ações criminosas. O de camisa branca era o Claudinho CL. Com certeza ele é procurado”, mostra Pedro Medina, delegado de combate ao tráfico de drogas (RJ). “Esse outro é o bebezão. Tem mandado de prisão pendente, bastante perigoso”, mostra Medina. Um dos homens reconhecidos por Medina é conhecido como Faustão. Ele foi preso durante a operação no Complexo do Alemão quando tentava fugir. E o álbum guardava uma surpresa. A intimidade de FB - o chefe do tráfico na região. “Foi um dos responsáveis pela onda de terror que assolou o Rio de Janeiro”, conta o delegado. A polícia confirma que todos eles estavam escondidos dentro do Conjunto de Favelas do Alemão. Muitos, fugindo de regiões onde foram instaladas as Unidades de Polícia Pacificadora, as UPPs. Achavam que lá, ninguém ia mexer com eles. “Trabalhos investigativos possibilitaram determinar que quase todas lideranças do tráfico de drogas dessa facção passavam durante a semana no interior daquela comunidade uma vez que sabiam que era raro diligências, operações policiais ali”, diz o delegado. Rose é a única traficante que aparece nas fotos. Seria gerente de uma favela inteira. Mas ela não é a única mulher fotografada ostentando armas e ouro. Um dos arquivos tinha 55 fotos. Só de pessoas ligados aos traficantes. Um pingente de ouro e diamante é uma réplica da igreja da Penha. Outras usam as iniciais dos criminosos com quem são casadas ou de quem são amantes. Nas legendas elas recebem o título de "fiel" do bandido. Até crianças foram fotografadas ostentando quilos de ouro puro. A menina com anéis em todos os dedos. E a filha de um dos chefões do tráfico aparece com o uniforme de uma escola particular muito cara. Um dos poucos luxos que extrapolam a favela. “Eles usam isso pra demonstrar o poder, seduzir as meninas para que eles tenham casos com elas, pra mostrar poder, mas também porque não têm como usar o dinheiro fora da localidade. Sempre que saíam, viajavam, compravam roupas, corriam risco de ser presos. Eles são escravos do próprio dinheiro e do território, e agora nem território eles têm porque a gente foi lá e tomou. Não vamos ver nem ouro, nem crianças usando cordões de ouro, isso a gente nunca mais vai ver no Alemão”, afirma Allan Turnowski, chefe da Polícia Civil (RJ). As informações são do G1.

 

 

Leia Também
Regulação

(Por Fernanda Dourado) 

O sistema de Regulação da secretaria de Saúde do estado foi debatido na comissão de Saúde da Assembleia Legislativa da Bahia. Os representantes da superintendente do órgão, Miriam Cortez Bittencourt e o médico Paulo de Tarso estiveram no colegiado para falar sobre as ações do sistema, - que é responsável pela marcação de exames e transferências de pacientes entre unidades de saúde atendentes do Sistema Único de Saúde. De acordo com Tarso, é uma das prioridades redesenhar todo o funcionamento da regulação do Estado. Para o integrante do Colegiado, Alex da Piatã, a reunião foi importante para saber como funciona o serviço. Ainda de acordo o parlamentar, é preciso modernizar o sistema.

 

 
Política de Redução de Riscos e Danos Associados ao uso de Drogas

(Por Fernanda Dourado)

Durante três horas, a audiência pública intitulada “Política de Redução de Riscos e Danos Associados ao uso de Drogas”, da Comissão Especial de Promoção da Igualdade, atraiu deputados, profissionais de saúde e sociedade civil.  Para o presidente do Colegiado, a reunião foi importante para discutir estratégias de saúde pública com objetivo de minimizar as consequências atribuladas do consumo de drogas.  Ainda segundo o parlamentar, essa foi uma das principais audiências do Colegiado.  O deputado estadual Manassés, fundador da Instituição Manassés - que realiza um trabalho de recuperação e reintegração de jovens com dependência química -  contou como  obteve a ideia de criar uma instituição. Segundo o parlamentar, que é pai de cinco filhos – um deles se envolveu com as drogas. 

 
Caixa: 100 % pública

 Há 154 anos, a União é o único controlador da Caixa Econômica federal.  Para discutir a abertura de capital como foi previsto pelo governo, a  Comissão de Desenvolvimento Urbano da Assembleia Legislativa da Bahia,  presidida pela deputada Maria del Carmen, promoveu a Audiência Pública  “CAIXA 100% Pública: abertura de capital e seus impactos. Na  audiência, será proposta a elaboração de um documento-manifesto a ser  entregue à presidenta Dilma Rousseff defendendo o caráter público da  Caixa. De acordo com Daniel Azeredo, presidente da Associação do  Pessoal da Caixa Econômica Federal na Bahia, a abertura de capital é um prejuízo para a nação, já que, segundo ele, os bancos privados não investem em programas populares. Ele ressaltou o papel social do banco e de sua importância para o país. O presidente da Federação das Associações Pessoal da Caixa, Jair Ferreira, disse que a abertura de capital da Caixa Econômica Federal para acionistas, quebra o caráter exclusivamente público da instituição, que é uma instituição financeira do Estado brasileiro e tem o dever de exercer atividades e serviços públicos que tenham como objetivo o interesse social e comum da sociedade.

 
"Vamos consertar as crateras que estão surgindo antes que tenha gorgulho na Estrada do Feijão, " afirmou Jurandy Oliveira em audiência na Comissão de Infraestrutura

 (Por Fernanda Dourado) Aeroportos, rodovias, ferrovias, energia e transporte foram os temas discutidos na quarta reunião da Comissão de Infraestrutura com a presença do secretário de infraestrutura com o Secretário de Infraestrutura da Bahia, Marcus Cavalcanti, que esteve no Colegiado para fazer apresentação das atuais e futuras ações da pasta. Durante três horas, dezesseis parlamentares passaram pelo Colegiado e fizeram vários questionamentos. Para o líder do governo, deputado Zé Neto, é necessário um planejamento de transporte coletivo. O petista citou a Pesquisa Origem e Destino, que o governo do estado realizou em Feira de Santana e mais seis municípios de sua região metropolitana, no ano passado, e que foi divulgado este mês os resultados. O deputado estadual Jurandy Oligeira, que não faz parte do Colegiado, mas esteve presente na reunião, parabenizou a presença do secretário do Colegiado, mas cobrou a recuperação da Estrada do Feijão. "Vamos consertar as crateras que estão surgindo antes que tenha gorgulho na Estrada do Feijão", disse Jurandy. De acordo com o deputado Hildécio Meireles, presidente da Comissão de Infraestrutura, a pauta foi extensa e discutida por diversos parlamentares com críticas e sugestões. O Secretário de Infraestrutura da Bahia, Marcus Cavalcanti, falou dos investimentos da pasta no Estado e que vai tomar as providências a respeito das sugestões dos parlamentares.

 
Ato contra Dilma reúne seis manifestantes em Brasília

Ato pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff em frente ao prédio da Petrobrás em Brasília reúne, nesta sexta-feira, 13, seis manifestantes e 12 policiais militares. O movimento foi organizado, por redes sociais, pelo grupo “Revoltados Online”. Marcado para as 17 horas, o protesto reuniu até agora dois carros com adesivos e bandeiras que pedem o impeachment da presidente. Um dos manifestantes veste um colete pedindo a saída de Dilma. A ideia dos ativistas é percorrer, de carro, a Esplanada dos Ministérios, promovendo um buzinaço. Para evitar confronto, eles mudaram a estratégia original e não passarão mais pela rodoviária da cidade, onde organizações como a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) fazem ato nesta tarde pela defesa da democracia. Os manifestantes que estão em frente ao prédio da Petrobrás em Brasília criticaram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por supostamente ter convocado o “exército do Stédile” para fazer frente às manifestações contrárias ao governo. Uma das organizadoras do ato, a auditora aposentada do Tribunal de Contas da União (TCU) Claudia de Faria Castro, defendeu a saída de Dilma da Presidência da República, mas disse ser contrária à hipótese de intervenção militar. “Intervenção militar, a gente acha incogitável”, afirmou. “Precisamos dar um recado. Acho que o povo tem de amadurecer. Nosso objetivo é dizer que estamos atentos. Não queremos deixar espaço para quem não nos representa”, declarou a manifestante, dizendo acreditar que o impeachment seria capaz “de resolver a curtíssimo prazo os problemas do País”. O professor de inglês e filosofia Edgar de Souza, de Campinas, disse que esta em Brasília há três dias para reforçar o movimento. Segundo ele, a presidente Dilma desrespeita a Constituição e que, por isso, pode ser impedida. “O governo perdeu a moralidade, a eficiência e não tem transparência. Collor foi cassado por muito menos. Temos um desmando no governo”, afirmou.

 
Com fusão entre DEM e PTB, governistas sinalizam com ida para oposição

 Com o acordo de fusão entre DEM e PTB praticamente fechado, parlamentares e políticos de partidos aliados ao PT na Bahia iniciaram negociações para ingressar na legenda que juntará democratas e petebistas. Ao menos seis governistas, incluindo deputados estaduais e federais, já sinalizaram o interesse de trocar a base petista pela oposição. Esperam apenas as duas siglas oficializarem o casamento, processo que avançou bastante nos últimos dias, a reboque do movimento de debandada detectado no arco de sustentação do Planalto, no Congresso. “Em conversas com colegas da Câmara e do Senado, é nítida a sensação de que o governo da presidente Dilma Rousseff está se desmontando de maneira irreversível. 

 
Saúde

 (Por Fernanda Dourado) Era para ser apenas uma apresentação do Programa de Estruturação de Consórcios Interfederativos de Saúde (PROCIS-BA), pelo secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas, mas a reunião discutiu assuntos diversos relacionados a saúde no Estado da Bahia com demandas e sugestões de deputados.  A reunião atraiu deputados estaduais, médicos e assessores. De acordo com o secretário de Saúde, Fábio Vilas-Boas, até 2016 a expectativa é que sejam construídas 10 consórcios e 10 policlínicas em todo o Estado da Bahia. O investimento é de 12 milhões cada policlínica. Cada políclica terá 16 especialidades.  As principais vantagens dos consórcios são a ampliação do acesso ao atendimento e exames específicos. O  secretário explicou os critérios nas escolhas das cidades para implementar os consórcios. Ainda de acordo com o secretário de Saúde, Fabio Vilas-Boas, os consórcios já foram adotados com sucesso no estado do Ceará. Para detalhar o modelo implantado no Estado, a secretária contratou o ex-deputado federal e ex-secretário de saúde do Ceará, João Ananias. Por sugestão do deputado estadual, José de Arimatéia, os parlamentares devem visitar o Ceará para conhecer de perto como funciona o consórcio. O deputado estadual e líder do governo, deputado estadual, Zé Neto, disse que vai convidar também os deputados da oposição à visita. Para presidente do colegiado, deputado Alan Sanches, a visita foi proveitosa.

        

 
Saúde

 (Por Fernanda Dourado) Era para ser apenas uma apresentação do Programa de Estruturação de Consórcios Interfederativos de Saúde (PROCIS-BA), pelo secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas, mas a reunião discutiu assuntos diversos relacionados a saúde no Estado da Bahia com demandas e sugestões de deputados.  A reunião atraiu deputados estaduais, médicos e assessores. De acordo com o secretário de Saúde, Fábio Vilas-Boas, até 2016 a expectativa é que sejam construídas 10 consórcios e 10 policlínicas em todo o Estado da Bahia. O investimento é de 12 milhões cada policlínica. Cada políclica terá 16 especialidades.  As principais vantagens dos consórcios são a ampliação do acesso ao atendimento e exames específicos. O  secretário explicou os critérios nas escolhas das cidades para implementar os consórcios. Ainda de acordo com o secretário de Saúde, Fabio Vilas-Boas, os consórcios já foram adotados com sucesso no estado do Ceará. Para detalhar o modelo implantado no Estado, a secretária contratou o ex-deputado federal e ex-secretário de saúde do Ceará, João Ananias. Por sugestão do deputado estadual, José de Arimatéia, os parlamentares devem visitar o Ceará para conhecer de perto como funciona o consórcio. O deputado estadual e líder do governo, deputado estadual, Zé Neto, disse que vai convidar também os deputados da oposição à visita. Para presidente do colegiado, deputado Alan Sanches, a visita foi proveitosa.