Seja bem vindo! Salvador, 21 de Julho de 2018
   
Notícias
Publicada em 11 de Julho de 2018 ás 07:18:10 Share

Novo ministro do Trabalho afirma que pode fazer ‘limpa’ na pasta

Após tomar posse no Ministério do Trabalho, o novo titular da área, Caio Vieira de Mello, sinalizou que pode fazer uma limpa na pasta. “A senhora não faria?”, reagiu, ao ser perguntado sobre possível realização de mudanças nos cargos depois das investigações que são realizadas pela Polícia Federal (PF) para averiguar irregularidades na pasta. “O que for necessário será feito”, declarou o ministro, acrescentando que vai “fazer exame apurado de todas as situações”, “inclusive das concessões” de registros sindicais. Ressalvando sempre que era “mineiro” e que não conhecia como o órgão está funcionando, Vieira de Mello comentou: “Mineiro é sempre precavido, e eu, como bom mineiro, vou examinar bem a situação e as medidas serão tomadas, podem ter certeza, com transparência. Nada será oculto”. Diante da insistência dos repórteres sobre se considerava a partidarização de um ministério um erro, o ministro reagiu: “Não conheço o ministério, mas o Ministério do Trabalho tem de ser um ministério extremamente técnico, tem de funcionar”. Sobre a reforma trabalhista, o novo ministro também foi cauteloso, mas reconheceu que “se houver necessidade, haverá mudança também”. Para ele, “alteração de legislação é uma coisa normal, a adaptação vai se fazendo pela jurisprudência e o tempo vai mostrando a vantagem ou desvantagem”. E, depois de dizer que não vê “nada de mais na reforma feita”, emendou que, “se houver necessidade, haverá mudança também”. Questionado se achava que havia necessidade neste momento de mudanças na legislação, o ministro declarou: “Não vejo nenhuma necessidade no momento. Eu acho até muito precário a gente emitir uma opinião a respeito da nova legislação se você não tem um resultado e uma aplicação efetiva dela”. O novo ministro do Trabalho comentou que recebeu o convite do presidente Michel Temer para assumir o cargo “com surpresa” e que o fato de faltarem apenas seis meses para o governo acabar não é um problema. Para o novo ministro, o “desafio” o moveu a aceitar o convite. “Todos nós brasileiros temos de acreditar no País. Se eu posso dar alguma colaboração, eu vou dar. Se faltam seis meses, não é problema meu, mas eu vou tentar nesse período. É uma missão sair de lá com um bom nome como sempre tive”. Vieira de Mello disse que não queria julgar ninguém sobre o que aconteceu na pasta e que desejava ser julgado pelo que fizesse lá nos próximos seis meses. Depois de reiterar que “sua vida inteira foi limpa”, o novo ministro declarou que o presidente Temer, ao convidá-lo pediu que se concentrasse na criação de empregos. “O comando que ele deu foi técnico. Pediu que desse agilidade ao Ministério do Trabalho, e ajudar a resolver os problemas que existem”, ressaltou. O ministro insistiu que sua nomeação foi “técnica” e que tem 50 anos de atuação na área trabalhista. Perguntado se deixaria o cargo de consultor no escritório de advocacia de Sérgio Bermudes, onde também trabalha a mulher do ministro do Supremo Tribunal Gilmar Mendes, o ministro contou que, antes de aceitar o convite, ligou para o advogado, que estava no hospital, avisou que deixaria a função e este lhe desejou sorte. Para Vieira de Mello, o novo cargo “é uma missão”. Ele afirmou que pretende “sair de lá com um bom nome como sempre teve”. “Não sou eu que vou julgar ninguém. Eu serei juiz de mim mesmo”, avisou.

Leia Também
Geddel é transferido para pavilhão de segurança máxima

 Por decisão da juíza Leila Cury, da Vara de Execuções Penais, o ex-ministro Geddel Vieira Lima e o ex-senador Luiz Estevão foram transferidos para a Penitenciária do DF (PDF1), pavilhão de segurança máxima. Segundo o Correio Braziliense, a decisão faz parte do desdobramento da Operação Bastilha, deflagrada pela Coordenação de Combate ao Crime Organizado, aos Crimes contra a Administração Pública e contra a Ordem Tributária (CECOR) da Polícia Civil do DF. Anteriormente Geddel estava preso na ala de vulneráveis, e com a transferência ele agora encontra-se em uma cela individual com vaso sanitário e banho quente.

 
‘Nossa briga começa dia 15 de agosto’, diz defesa de Lula

A decisão da ministra Rosa Weber, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), de negar a antecipação da inelegibilidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reforça a estratégia da direção nacional do PT de registrar a candidatura do petista no dia 15 de agosto, fim do prazo legal para apresentação de candidaturas, e insistir até o último momento no nome do ex-presidente.

 
‘Deixará ensinamentos’, afirma vice-prefeito sobre a morte de avó de Neto

 O vice-prefeito Bruno Reis lamentou o falecimento de Maria Emília Gadêlha Vianna, avó do prefeito ACM Neto e mãe da Presidente do Parque Social, Maria do Rosário Magalhães. “Ela era uma mulher sábia e afável. Tenho certeza que deixará ensinamentos e saudades não apenas no coração dos familiares mas de todos que tiveram a honra de conviver com ela”. O sepultamento de Maria Emília está marcado para esta terça-feira (15), às 15h, no cemitério Jardim da Saudade, em Brotas.

 
“Há quatro anos a primeira pesquisa de Rui Costa ele tinha de 3 a 6%. Depois foi crescendo e terminou ganhando a eleição. O quadro político de hoje não será o quadro político de setembro“, diz Zé Ronaldo

 No dia 07 de abril, há menos de um mês, o democrata José Ronaldo renunciou ao cargo de prefeito de Feira de Santana para concorrer ao governo do estado da Bahia nas eleições de outubro. A decisão foi tomada após o atual prefeito de Salvador, ACM Neto, desistir de concorrer ao Palácio de Ondina e causar um verdadeiro “terremoto político” na oposição. Um dia após o recuo, Zé Ronaldo foi o escolhido pelo presidente nacional do Democratas e gestor de Salvador, ACM Neto, para disputar o pleito em seu lugar. Zé Ronaldo foi eleito quatro vezes prefeito da segunda cidade mais populosa do estado e primeira cidade do interior nordestino em população. Além da experiência como Chefe do Executivo Municipal, ele também foi vereador em Feira de Santana, deputado estadual e federal. Agora, aos 66 anos, sem dúvida, está a frente do maior desafio político de sua carreira pública: disputar o governo do estado com o governador Rui Costa (PT), que tenta a reeleição, e é bem avaliado. Zé Ronaldo recebeu o Bahia Repórter na sede do Democratas para uma entrevista exclusiva  com a jornalista política, Fernanda Dourado. 

 
Ubaitaba: Jornalista Paula Ary tem nome cotado para ser candidata a prefeita do município

 (Por Fernanda Dourado)

A dois anos e seis meses das eleições municipais, a cidade de Ubaitaba - que assim como todo o interior da Bahia - respira política - já discute os possíveis nomes à sucessão municipal. Corre aos quatro cantos do município que o cacique político e o ex-prefeito de Ubaitaba, Bêda, analisa colocar sua filha mais velha, Paula Ary, para disputar a prefeitura da cidade. A jovem Paula - que passou pelas emissoras da capital baiana (TV Aratu - filiado da Sbt e pela TV ALBA - emissora da Assembleia Legislativa da Bahia) também fincou raízes jornalísticas na cidade de Itabuna- na TV Santa Cruz, afiliada da Globo - onde entrava ao vivo para todo o Brasil para informar notícias da região. A jovem é conhecida no meio jornalístico não apenas pela sua competência, mas, também, pelo seu carisma nato - que segundo munícipes herdou do pai político, Bêda, e da mãe, Soraya.  Bahia Repórter procurou a comunicadora para confirmar a notícia do site Políticos do Sul da Bahia. De acordo com Ary, a busca pela informação e o contato diário com a população -que o jornalismo traz - a deixou ainda mais sensível às necessidades do povo. “Gosto de gente, sabe?! O jornalismo sempre me encantou, principalmente, cobrir os acontecimentos de rua, ir nas comunidades, ou seja, sempre admirei a preocupação de meu pai com a população e o jornalismo me deixou com o olhar ainda mais sensível às necessidades dos menos favorecidos”, afirmou a jornalista - que ressaltou que sempre teve o anseio político desde pequena, mas ponderou que a decisão será tomada após conversas com o grupo. 

 
Marco Aurélio será o relator da denúncia que acusa Jair Bolsonaro de racismo

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), foi definido como relator da denúncia contra o deputado Jair Bolsonaro, pré-candidato do PSL à Presidência, acusado de racismo pela Procuradoria-geral da República (PGR) na semana passada. O ministro é membro da Primeira Turma da Corte, que deverá analisar a denúncia, junto de Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux. Ainda não há previsão para a acusação ser julgada. A procuradoria denuncia o pré-candidato de racismo contra quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs. De acordo com a PGR, em uma palestra no Clube Hebraica do Rio de Janeiro, em abril de 2017, Jair, em pouco mais de uma hora de discurso, “usou expressões de cunho discriminatório, incitando o ódio e atingindo diretamente vários grupos sociais”. Na peça, a procuradora-geral, Raquel Dodge, avalia a conduta de Bolsonaro como “ilícita, inaceitável e severamente reprovável”. “A conduta do denunciado atingiu bem jurídico constitucionalmente protegido e que transcende a violação dos direitos constitucionais específicos dos grupos diretamente atingidos com a suas manifestações de incitação ao ódio e à discriminação para revelar violação a interesse difuso de toda sociedade, constitucionalmente protegido”. Leia no Estadão.

 
Ministro mantém operador do PSDB na cadeia

O ministro Reynaldo Soares da Fonseca, do Superior Tribunal de Justiça, indeferiu habeas corpus que pedia a liberdade do engenheiro Paulo Vieira de Souza, ex-diretor da Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa) apontado como arrecadador de campanhas do PSDB. Ele foi preso no dia 6 em São Paulo. As informações foram divulgadas pelo STJ. É a terceira derrota consecutiva de Vieira de Souza, desde que caiu na malha fina da Operação Lava Jato em São Paulo. Antes do revés no STJ, ele já havia solicitado, em vão, a revogação de sua prisão à juíza Maria Izabel do Prado, da 5.ª Vara Criminal Federal de São Paulo, e ao Tribunal Regional Federal da 3.ª Região (TRF-3). Vieira de Souza é acusado pelo Ministério Público Federal de ter participado, no período de 2009 a 2011 (Governos José Serra e Geraldo Alckmin), de desvios de recursos públicos do programa de reassentamento dos empreendimentos Rodoanel Sul, Jacu Pêssego e Nova Marginal Tietê, causando prejuízo estimado em R$ 7,7 milhões.

 
Prefeitura zera dívida antiga com Hospital Aristides Maltez

A Prefeitura repassou ao Hospital Aristides Maltez o montante de R$1.671.000,00 para quitação de débitos da administração municipal com a instituição ocorridos até o fim de 2012. A ação foi firmada em encontro entre o prefeito ACM Neto e o presidente da Liga Bahiana Contra o Câncer (LBCC), Aristides Maltez Filho, ocorrido nesta segunda-feira (16), no Palácio Thomé de Souza. Também esteve presente o secretário municipal de Saúde, José Antônio Rodrigues Alves, em seu último ato oficial antes de se despedir do cargo por decisão pessoal. O pagamento foi feito em parcela única. “Com isso, estão sendo quitados todos os débitos da gestão retrasada com o hospital. A medida foi tomada em função da importância social do Hospital Aristides Maltez, que promove um grande trabalho gratuito de assistência à saúde da população. Procuramos, assim, zerar qualquer dívida da Prefeitura com a instituição”, pontuou ACM Neto. A LBCC é a matriz do Hospital Aristides Maltez (HAM), que é o primeiro hospital especializado em tratamento do câncer no país. Filantrópica e sem fins lucrativos, a unidade de saúde atende atualmente a 3 mil pessoas diariamente.