Conecte-se Conosco
Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA)

Política

‘Nós temos um patrimônio nacional e baiano muito grande’, diz Wagner em reunião do PT da Bahia

Publicado

em

Presente na reunião do Diretório Estadual do PT neste sábado (16), na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), o senador e pré-candidato ao Governo do Estado, Jaques Wagner, falou sobre a revolução democrática e inclusão social promovidas pelos governos na Bahia, com os 16 anos de gestões petistas no estado, de 2007 a 2021, e no Brasil, com as administrações de Lula e Dilma. “Nós temos um patrimônio nacional e baiano muito grande”, afirmou o senador, em entrevista à imprensa.

Wagner destacou que, para dar continuidade ao trabalho iniciado na Bahia, em 2007, quando assumiu o governo, se coloca como pré-candidato para as eleições de 2002. “Digo que quero ser candidato e sou pré-candidato indicado pelo meu Partido. As conversas com a base têm sido sempre pautadas na vontade de manter o grupo unido, porque todos os partidos cresceram muito dentro desse grupo político. O nosso grupo não tem dono, tem liderança e tem líderes. Aqui não é um samba de uma nota só como outros grupos são. Eu tenho certeza que todos os partidos que estão conosco até agora vão fazer esforço para continuar juntos”.

O senador destacou que, além da força do grupo que deve permanecer unido na Bahia, a eleição no estado terá grande influência nacional, com a liderança de Lula em todas as pesquisas de intenção de voto. “O ex-prefeito fica dizendo que não quer nacionalizar. Não é ele quem decide se vai ou não nacionalizar. Quem nacionaliza a eleição é o povo. Porque a primeira pessoa que o povo escolhe é o seu presidente da república, e a partir daí vai escolhendo os outros candidatos. Não é uma opção dizer ‘eu prefiro não nacionalizar’. A eleição é nacional, porque tem uma eleição de presidente da república e o povo vota de cima para baixo”.

Ao falar sobre o efeito Lula no resultado das eleições na Bahia, a união do grupo da base do PT e dos feitos das gestões petistas nos quase últimos 16 anos, o senador Jaques Wagner fez um contraponto com a ausência de trabalhos de ACM Neto para o estado. “O problema dele é o seguinte: ele não tem candidato e também não tem patrimônio na Bahia para apresentar. Pode ter em Salvador, mas na Bahia qual o patrimônio? É só botar a bola para rodar que a gente vai comparar os 16 anos deles antes de a gente chegar”.

Wagner também ressaltou também, em entrevista à imprensa, o compromisso do PT em rejuvenescer a política. “O presidente do PT Bahia, por exemplo, tem menos de 40 anos”. Wagner destacou, no entanto, que o fato de um candidato ser jovem nem sempre significa que ele tenha um pensamento moderno. “Paulo Freire, quando vivo com a idade que tinha, era muito mais moderno que uma porção de gente reacionária e jovem em qualquer lugar. Eu posso ser mais velho, mas quero saber quem é que modernizou a Bahia e quem representa o passado. Eu acho que ele representa muito mais um passado. Então, não é uma disputa de idades, é uma disputa de ideias”.

Segurança

Sobre as críticas que o ex-prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), fez à segurança pública na Bahia, em vídeo em que comentou o episódio da chacina no Uruguai que deixou seis mortos e 12 feridos na madrugada de quarta-feira (13), Wagner desdenhou da opinião do democrata.

“Eu não vejo muita credencial nesse prefeito para falar de segurança, porque quando eu assumi o governo em 2006 e eles governavam, e é só perguntar aos policiais militares e civis, não tinha arma, não tinha colete à prova de balas, os carros estavam caindo pelas tabelas”, disse Wagner durante entrevista à imprensa.

Política

Em nova pesquisa, ACM Neto lidera intenções de voto para governador e venceria Wagner no 1º turno

Publicado

em

Continue lendo

Política

BN/Séculus: ACM Neto lidera intenções de voto para governador e venceria Wagner no 1º turno

Publicado

em


O ex-prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), lidera as intenções de voto para governador da Bahia em todos os cenários pesquisados pelo instituto Séculus, em parceria com o Bahia Notícias. Ele tem mais que o dobro dos percentuais apresentados pelo senador Jaques Wagner (PT) e, de acordo com o levantamento, caso as eleições fossem hoje, venceria no primeiro turno.


No primeiro cenário, ACM Neto aparece com 49,16% das intenções de voto, contra 22,27% de Wagner. Bem atrás dos dois, aparecem João Roma (Republicanos), ministro da Cidadania, com 3,57%; o vice-governador João Leão (PP), com 2,86%; o senador Otto Alencar (PSD), com 2,52%; Dra. Raíssa Soares (sem partido), com 1,26%; e a yalorixá Bernadete Souza (PSOL), com 0,84%. Responderam “nenhum”, 12,48% dos entrevistados, enquanto 5,04% não sabem ou não opinaram.

Em um segundo cenário, o ex-prefeito de Salvador aumenta sua vantagem e chega a 53,7% das intenções de voto, contra 24,87% de Jaques Wagner, 4,66% de João Roma e 0,88% de Bernardete Souza. “Nenhum” pontuou 10,71%, enquanto 5,17% não souberam responder ou não opinaram.


No terceiro cenário, João Roma é substituído como candidato bolsonarista pela Dra. Raíssa Soares. ACM Neto mantém 53,7% das intenções de voto, assim como Wagner estaciona em 24,87% dos entrevistados. A médica, que atua na região de Porto Seguro, fica em 2,86%. Bernardete Soares, assim como os políticos de DEM e PT, também não altera sua pontuação: 0,88%. Responderam “nenhum”, 12,44% dos entrevistados, enquanto 5,25% não sabem ou não opinaram.

ACM Neto supera os percentuais de todos os seus adversários somados nos três cenários pesquisados. Por isso, é possível afirmar, com base nos números do levantamento BN/Séculus, que o ex-prefeito de Salvador venceria as eleições de 2022 no primeiro turno, caso o pleito ocorresse hoje. Informações do Bahia Notícias.

Continue lendo

Política

Pesquisa interna do Podemos gruda Moro a Bolsonaro, mas mostra Lula vencendo no 1º turno

Publicado

em

O Podemos realizou uma nova pesquisa interna e aumentou ainda mais a preocupação de Sergio Moro. Segundo os números, Lula segue tendo grandes chances de vencer no primeiro turno. Já o ex-juiz fica perto de Bolsonaro, mas não demonstra fôlego para alcançar o ex-presidente.

Conforme apurou o DCM, o ex-ministro de Bolsonaro possui 16% das intenções de votos. Ele é o nome mais forte da terceira via e está muito próximo do atual chefe do executivo federal. O governante brasileiro, que se filiou recentemente ao PL, é citado por 19% dos entrevistados. Ciro Gomes, quarto colocado, tem apenas 7%.

Continue lendo
Propaganda
Propaganda

Tópicos populares

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: Conteúdo protegido